sexta-feira, 3 de dezembro de 2010


ENTRE O KAIROS E O CRONOS, uma colega marcante: a Teresa Paula.
Um texto do Professor Melo

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

A SOARES de novo nas Feiras Francas



FEIRAS FRANCAS

PORTO - PALÁCIO DAS ARTES

27.11.2010

NÃO FALTEM


MEMÓRIA DESCRITIVA
ver aqui

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Quem estuda na Soares... o que lhe pode acontecer?!!!



Jóias com histórias na Casa da Juventude de Rio Tinto

Gondomar




A Casa da Juventude de Rio Tinto acolhe até ao dia 27 a exposição de joalharia urbana de Marisa Silva. "Jóias que contam histórias" é o título da exposição. Na qual, com uma solução curiosa, Marisa Silva une duas das suas paixões artísticas: pintura e joalharia. Marisa Silva está ligada ao concelho de Gondomar por nascimento e residência. Natural e residente na freguesia de Foz do Sousa, desde 1980 que vive com os ares e realidades desta região. Como refere, "o que torna uma jóia especial é a sua história, quer seja ela uma lenda que atravessou gerações ou um conto por inventar". Marisa Silva frequentou e concluiu o Curso de Artes Visuais na Escola Soares dos Reis, no Porto.

[notícia publicada no Jornal de Notícias de 13.11.2010 em "Tome Nota" * o bold é nosso]

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

RAUL SIVA no POP's 2010 Serralves

Nas velhas ruas, onde o sol aquece os prédios “a três-quartos”, nunca chegando aos paralelos graníticos e húmidos, crescem em direcção do céu em busca do seu quinhão de sol,...

domingo, 14 de novembro de 2010

PLE * Projecto Comenius

Desde 1997 que a Escola Soares dos Reis, através do Curso de Ourivesaria, é membro do PLE – “Parlement Lycéen Européen des Écoles de Bijouterie et metiers d’Art”. Criado em 1992, este organismo é uma associação/rede internacional de escolas de joalharia e ofícios artísticos, composto por  escolas da União Europeia e  escolas do espaço exterior europeu, envolvendo 14 países. [ler mais...]

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

sábado, 16 de outubro de 2010

terça-feira, 12 de outubro de 2010

UTOPIA



O QUE É UMA UTOPIA




A Professora Fátima Vieira estará presente nesta quarta-feira, dia 13 de Outubro, pelas 16h30 para discutir o tema Utopia, e os seus possiveis significados.
A palestra é aberta a todos os alunos e professores.

EXPOSIÇÃO: COMBATE À POBREZA E À EXCLUSÃO SOCIAL

O colega (aluno)
José M. Silva pinta e expõe.



A inauguração é no próximo dia 16 Outubro pelas 16.30h no Clube Literário do Porto, sito na rua da alfândega nº 22, Porto

domingo, 10 de outubro de 2010

O “telégrafo” por que me chegou a República


A minha avó Josefina nasceu em 1880 e sabia ler. Era, na nossa aldeia, juntamente com a mãe da professora D. Florinda, a única mulher a saber ler, escrever e contar, para além de costurar. Andou na “Mestra”. Iam as duas meninas pelos montes fora, atravessando duas aldeias, com a merenda para o dia inteiro. Na monarquia não havia ensino público universal e gratuito como a República, fundada em 5 de Outubro de 1910 veio a consagrar na sua Constituição de 1911.

Mas a minha avó, que durante a I Grande Guerra Mundial escrevia muitas cartas para os soldados lá da aldeia que estavam na guerra, a pedido das suas famílias, não me parece que tenha gostado particularmente da instauração do regime republicano. E isto deve-se ao facto de o meu avô José, já casado com ela e com uma família numerosa, ter sido preso aquando da chamada Monarquia do Norte, em Janeiro de 1919, quando no Porto um conjunto de revoltosos, na sequência do assassinato de Sidónio Pais, em 1918, proclamou aquilo que os republicanos vieram a chamar o “Reino da Taulitânia”. Todo o Norte, à excepção de Chaves, proclamou a monarquia, hasteou a bandeira azul e branca, e jurou fidelidade ao Rei D. Manuel II que se encontrava exilado em Inglaterra, cantando o hino da Carta Constitucional.

Ora o meu avô José, que morreu antes de eu nascer mas de quem herdei o nome, era amigo do padre da freguesia, foi-lhe levar uns sapatos novos – que haviam sido feitos na sua oficina – e sabendo notícias da instauração de uma Junta Provisória no Porto. E na sequência daquelas notícias, resolveu tocar o sino da Igreja “a de festa”, como sinal de alegria e alvoroço. Una dias depois, porém, os revoltosos são presos e condenados e, na sequência deste processo o meu avô é preso, julgado e condenado. Marcha de Felgueiras para Braga e daqui segue para o Porto, onde fica encarcerado largos meses na Cadeia da Relação, na Cordoaria, onde estivera, uns anos antes, Camilo Castelo Branco.

Contava minha avó que, quando o vinha visitar lhe trazia um bolinho e algum mimo assim. Pois logo lhe era esfarelado `procura de arma ou lima escondida…Os piolhos eram uma peste terrível, dada a grande concentração de presos por cada cela e a grande falta de higiene.

A minha avó, que tinha os filhos pequenitos, passou grandes privações e dificuldades, valendo-lhe o facto de haver uns parentes no sector republicano que distribuíam senhas de racionamento. Dizia-nos ela que passou grandes aflições por causa da incerteza da situação judicial do meu avô. Por vezes, a sua sogra, uma simpática velhinha de Tagilde, passava por um republicano, “daqueles de bigode arrebitado”, um senhor importante de Vila Corneira , que seguia a cavalo. Lá “de baixo”, a minha bisavó implorava misericórdia para o filho e perguntava quando o iriam soltar. E minha avó Josefina, num tom dramático, compunha a voz, depositava mais um pouco de rapé numa narina, e dizia-nos solenemente , reforçando a voz e os gestos, para imitar melhor o burguês cavaleiro republicano que “os presos iam ser embarcados para o alto-mar, amarrados a uns pipos e largados por lá. Aí a velhinha quebrava o ânimo num pranto.

Tudo isto era acompanhado da “imagem” popular de um Afonso Costa, tido como um autêntico demónio com cornos, um mata-frades, um inimigo da religião e do povo simples…Apenas os políticos do Estado Novo, com Salazar à frente, nos haveriam de libertar de todas estas desgraças, medos e confusões…

Uma mensagem política desta natureza, com todo este colorido, teria deixado em mim e nos meus irmãos um apego incondicional à monarquia. Mas não deixou. E isto por diversas razões:

1º-Porque a minha cultura política, forjada na juventude na luta contra a ditadura e em prol da democracia e da liberdade, ensinou-me os valores cívicos da República, tais como o respeito pelos outros e pelo bem comum, a importância da educação como instrumento de libertação do ser humano de todas as formas de constrangimentos, de desigualdades e de opressões, da luta pela igualdade entre mulheres e homens e pelo fim da chamada “nobreza de sangue”, possibilitando uma igualdade de oportunidades de todos os cidadãos no que respeita ao Estado e ao exercício do poder.

2º-Porque um Chefe de Estado, eleito periodicamente pelos cidadãos, dá mais garantias de idoneidade e de independência do exercício do poder que a existência de um poder transmitido hereditariamente, sempre marcado por caprichos, por favoritismos, por séquitos de corte mais ou menos duvidosos…Se estes ingredientes são muito oportunos para alimentar as revistas “del corazon” de uma certa Europa, não o são para garantir a soberania do povo, nem para agilizar soluções colectivas para os Estados modernos. A história da República Americana prova-o bem ao longo de 3 séculos.

3º-Porque o laicismo da República, garantindo uma efectiva separação entre o trono e o altar, veio libertar os cidadãos, o país e as instituições religiosas, a começar pela Igreja Católica, do peso de um apoio invisível e mascarado que não sustentado na força das convições, da fé e do próprio Espírito de Deus, que está acima do poder do Estado para se impor e “governar a terra”. Que me desculpe o meu avô, lá no Além, mas esta terra portuguesa, é mais cristã, a meu ver, como católico praticante que sou, mais cristã e mais livremente católica, em República que em Monarquia.

4º-Porque o exercício da soberania popular ou nacional, nas diferentes interpretações de Montesquieu ou de Voltaire, vem significar o exercício de direitos e deveres dos cidadãos e da sua responsabilização individual e colectiva no âmbito de uma sociedade concreta, historicamente situada e aberta as vicissitudes do tempo e da História: sabe-se o quanto a República, para se instaurar, causou sofrimentos a alguns e a muitos membros da Igreja Católica, com intolerância e radicalismos que, felizmente, não vieram a repetir-se. Mas estes dados históricos vieram trazer uma nova mentalidade e uma sensibilidade, em particular, das gerações mais jovens. Houve francos progressos no que respeita ao diálogo intercultural e à abertura à sociedade, mesmo no tempo da chamada ditadura salazarista.

José Melo (de Filosofia)

domingo, 12 de setembro de 2010

ESTAMOS DE VOLTA COM O OITENTA VINTE


Fim de férias.
Início de um novo ano.
Muitas novidades a contar por aqui.
Mas, para já, para dar nota que ao abrigo do envolvimento da Escola no Ano Europeu do Combate à Pobreza e à Exclusão Social, foi desenvolvida, e produzida, uma peça de joalharia que simboliza o ano.
E a mesma já está disponível.

Ver aqui um "resumo" de todo o trabalho.

[a peça em questão foi desenvolvida no ano lectivo 2009 /2010 por alunos do 12º C3
Concepção projectual:
Adriana Rocha, José Pedro Silva, Sara Almeida, Soraia Rocha e Teresa Silva
Memórias:
Sara Sofia Almeida, Ema Guimarães e José Pedro Silva
Desenhos Técnicos:
Paulo Pereira, Tânia Almeida, Adriana Rocha e Marta Barbosa
Desenhos Expressivos:
Joana Guimarães, Ana Chen, Sérgio resende, Saul Salgado e José Pedro Silva
Construção do Protótipo:
Teresa Silva
Fotografia e tratamento de imagem:
José Pedro Silva e Teresa Silva
Renderização:
Paulo Pereira]

sábado, 3 de julho de 2010

CURTAS DA SOARES ... NA SOARES

NÃO PODÍAMOS DEIXAR DE ESTAR.
ESTAMOS NA ÉPOCA DAS CURTAS.

À imagem do ano passado, vai-se realizar a segunda edição da Mostra de trabalhos dos alunos de audiovisuais, da Escola Artistica Soares dos Reis.
Embalados pela critica positiva relativamente à mostra do ano passado, espera-se que este ano, não perca a oportunidade de visionar o trabalho dos futuros cineastas.
Ir-se-á ainda repor alguns dos trabalhos de ex-alunos, que passaram já por festivais nacionais.


A mostra terá lugar no auditório da Escola Artística Soares dos Reis, nos dias 8 e 9 de Julho, e será de entrada gratuita.


terça-feira, 29 de junho de 2010

RECOLHA DE MANUAIS ESCOLARES

Terminou mais um ano lectivo, o de 2009/2010. Agora que vais para uma nova etapa, ou para o 12º ano, ou para a faculdade, ou para o mundo “dos trabalhos”, ou apenas de férias, pedimos-te que te lembres de outros colegas teus e de futuros alunos nesta escola.


Traz os manuais, os livros que penses que já não vais necessitar, talvez um ou outro apontamento, resumo das matérias, que eles vão beneficiar alguém de certeza absoluta.

VER AQUI CARTAZ


sábado, 12 de junho de 2010


ESPERA-SE CONTRIBUTOS E AGUARDA-SE A TUA PRESENÇA.

domingo, 6 de junho de 2010

8 de Junho de 2010

É na terça-feira, dia 08.06.2010, que o dia vai nascer quase cheio e completo.

Só falta a tua presença
.

programa do dia

e

programa do grupo disciplinar de educação física


Não o ignores, não te disperses, funde-te com ele
e
no final, pondera a força que recebeste (e que ele te deu) ....



E por falar em força, sintam-na nas palavras deste texto:

No Caos da descrença

quinta-feira, 3 de junho de 2010

GRATUITO


O QUÊ?
A PEÇA: BOA GOA
de Paula Vasconcelos

[ ver aqui ]

MANUEL ANTÓNIO PINA NA SOARES

VOLTAMOS À NOTÍCIA.


É SÓ PARA LEMBRAR
.




Como sabe, o novo livro de Manuel António Pina vai ser apresentado no Auditório da Escola Artística de Soares dos Reis na próxima sexta-feira, dia 4 de Junho, pelas 21 h e 30 .

Trata-se não só de uma ocasião ímpar para contactarmos de perto com uma personalidade cativante e com contributos meritórios e reconhecidos nas áreas das Letras e da Cidadania, mas também de mostrarmos que sabemos receber e associar a nossa presença a um evento que honra e projecta ainda mais o bom nome e o prestígio da nossa Escola, e que se configura como um momento alto na vida cultural da Cidade e do País. Um acontecimento que fica a dever-se à parceria entre a Sociedade Portuguesa de Autores e a Biblioteca da Escola Artística de Soares dos Reis, e à cooperação de um dos seus Professores, Sousa Dias, com o Autor que teremos a oportunidade de conhecer depois de amanhã.


NÃO FALTE.