quinta-feira, 25 de março de 2010

PROJECTO DE MODULAÇÃO 3D


Leiam aqui um texto sobre o projecto que está a decorrer na Escola.
O mesmo é pioneiro a nível do ensino secundário.

As imagens podem ser consultadas na galeria do Drupal em:

https://www.essr.net/drupal/?q=pt/image/tid/8

e
a página do projecto em:

https://www.essr.net/drupal/?q=pt/note/234



terça-feira, 23 de março de 2010

POESIA - DIA MUNDIAL: 21 de MARÇO

No passado domingo passou-se o dia a comemorar poesia. Eis aqui uma homenagem:



" Posso ter defeitos, viver ansioso e ficar irritado algumas vezes,
mas não esqueço de que minha vida é a maior empresa do mundo.
E que posso evitar que ela vá a falência.
Ser feliz é reconhecer que vale a pena viver apesar de todos os desafios,incompreensões e períodos de crise.
Ser feliz é deixar de ser vítima dos problemas e se tornar um autor da própria história.
É atravessar desertos fora de si, mas ser capaz de encontrar um oásis no recôndito da sua alma.
É agradecer a Deus a cada manhã pelo milagre da vida.
Ser feliz é não ter medo dos próprios sentimentos.
É saber falar de si mesmo.
É ter coragem para ouvir um 'não'.
É ter segurança para receber uma crítica, mesmo que injusta.

Pedras no caminho?
Guardo todas, um dia vou construir um castelo...

(Fernando Pessoa)

quarta-feira, 17 de março de 2010

segunda-feira, 15 de março de 2010

Informação da Cidade das Profissões


A Cidade das Profissões é um centro de informação e aconselhamento que tem como missão promover a empregabilidade e o empreendedorismo dos cidadãos, pelo desenvolvimento de competências e pela promoção do conhecimento sobre as profissões e o mundo do trabalho, reforçando a capacidade de adaptação às transformações do mercado.
Todas as nossas acções são gratuitas e abertas à comunidade (com excepção dos eventos com destinatários definidos). Mensalmente levamos a cabo acções informativas sobre o mundo do trabalho e/ou das profissões.

A Cidade das Profissões vem por este meio solicitar a V/ colaboração na divulgação da conferência que irá dinamizar na próxima terça-feira, dia 16 de Março, pelas 14h30, denominada "Forças de Segurança e Investigação Criminal – Painel de Profissionais".

Conteúdo Programático:
A Cidade das Profissões pretende com o evento "Painel de Profissionais" proporcionar aos jovens o contacto com profissionais, em que estes possam dar a conhecer o seu quotidiano, bem como os seus contextos de trabalho.

Destinatários:
Alunos do 9º e 12º anos que já manifestem um interesse pelas áreas profissionais das Forças de Segurança e Investigação Criminal.

A actividade decorrerá nas instalações da Cidade das Profissões (Rua das Flores, 152-158 || 4050-263 Porto) e terá uma duração média de duas horas.
Esta é uma iniciativa gratuita, mas sujeita a inscrição obrigatória.
Para proceder à inscrição, basta o envio, via eventos@cdp.portodigital.pt, da seguinte informação:

  • Nome;

  • Contactos (e-mail e telemóvel);

  • Habilitações Escolares.

quinta-feira, 11 de março de 2010

“RETRATOS IMPREVISÍVEIS” DE DE=FRANCESCO


“RETRATOS IMPREVISÍVEIS” DE DE=FRANCESCO

( A HOMENAGEM NUMA “EXPOSIÇÃO VIRTUAL”-A POSSÍVEL – A UM GRANDE ARTISTA)

« Não somos nós que falamos a língua, é a língua que nos fala» ( M. Heidegger)

Max Weber identificava a História como uma estrada juncada de cadáveres de valores destruídos. Convém recordar esta concepção apocalíptica do Tempo, numa época de comemoração dos 125 anos da Escola Soares dos Reis. Porque a racionalidade fria do tempo cronológico encolhe-nos os ossos, trava-nos os projectos, troca-nos as voltas, como aliás todos sabemos e sobretudo sentimos. Mas há outra espécie de tempo, misterioso e afável, que invade os nossos trabalhos e os dias, esse tempo fabuloso, reversível e favorável, cíclico, que nos sustenta as almas, nos deixa instituir a vida e a festa, que nos faz sonhar. E vencer medos!

Ora, creio eu, é deste último movimento da ampulheta que “fala” a exposição virtual de Manuel De=Francesco. Porque ela constrói uma novela poética, no sentido grego da “poiesis”, onde os personagens desfilam como numa “passerelle” e onde é consentida uma ordem semântica permanentemente des-construida, no âmbito da história da cultura portuguesa. Porque nós, os “leitores”, somos desafiados a criar a nossa própria narrativa, a partir de “significantes” ilustrados, tais como escritores, poetas, artistas de palco, músicos, cientistas, criadores, comunicadores, gente da intervenção cívica, animadores de tertúlias em botequins, construtores de mitos e de impérios, cronistas de reis e do povo, gente daquém e dalém, os próprios reis, eles mesmos, capazes de autorizarem uma biografia mais ou menos oculta. É significativo um traço comum na teia imensa que une a representação icónica destas figuras gradas do nosso passado colectivo: a Morte. E aí De=Francesco é um iconoclasta imperdoável, ainda que lhes queira restituir o direito a viverem “de outro jeito”, o único a que têm direito : retirados do limbo do esquecimento a que parecem votados pelo conjunto dos poderes e das práticas societais: quem lê hoje um Régio? Um Cardoso Pires? Um Agostinho da Silva?

Datada e dirigida, esta vasta galeria de figuras que ilustram um panteão imaginário, a modos do célebre “museu”malrauxiano, traz-nos uma certa ideia de nobreza canónica. Não porque aí figure, com um sentido obsessivo, o mito sebastianista, transferido para a nossa realidade quotidiana por intermédio de um expressionismo cuja decoração nos transporta para o ambiente dos clássicos cafés da Baixa portuense, como nos “falam” mesas e cadeiras ou outros adereços, mas porque o pintor quis, a seu modo, trazer a poesia para a rua, convocar a literatura para as nossas (quase resistentes e clandestinas) tertúlias! E nesse acto mesmo De=Francesco comove-se e comove-nos, brinca com os seus e nossos heróis, impondo-se uma plástica que ora lembra Pomar, ora evoca Paula Rego…E não a terá assumido intencionalmente, como é óbvio. Porque ademais, não deixa de ser curioso que nós, semi-distraídos “voyeuristas” destes múltiplos e ecléticos actos criadores, não ignoremos a direcção “psicanalítica” das setas de São/Dom Sebastião, lançadas sob a voragem dramática do inconsciente francesquiano! Dos seus fantasmas e pesadelos para os exorcizar.

Se a função da Arte é, dizem alguns, reconciliar-nos com nós próprios, mesmo que seja apenas em sonho ou disfarce , então eu quero felicitar todos aqueles que contribuíram para a publicação desta exposição virtual e agradecer-lhes o seu trabalho, tal como ao artista. Porque fui a Amarante, de propósito, para visitar a Exposição que lá esteve no Museu Amadeo de Sousa Cardoso, no final da primavera de 2008, e não consegui, por ter ido num dia feriado (dia do Corpo de Deus). Correu-se, finalmente, o pano deste imenso palco que é a Net, para de uma forma modesta, mas digna, podermos poisar o nosso olhar em cada um dos morfemas que compõem este longo e saboroso discurso, donde podemos (e sobretudo devemos!) cívica e eticamente lançar um olhar crítico, exigente e apaixonado sobre a Cultura Portuguesa na expressão dinâmica de uma certa e curiosa temporalidade esteticamente corporalizada.

José Melo (de Filosofia).